OUTUBRO ROSA

I
Os tempos marcam as datas
E as datas demarcam a história
E junto faz-se a memória
Da roda que move a vida
E pra jamais ser esquecida
É que eu conto em verso e prosa
Com as rimas mais carinhosas
Esta data da mulher
Que por saber o que quer
É pra ela o outubro rosa

II
Um mês inteiro de luzes
Com as cores e a singeleza
Do rosa da natureza
Que com sua beleza nos chama
Pra dar atenção à mama
Olhar, sentir e tocar
E por inteiro examinar
Fazendo a mamografia
Prevenir no dia a dia
É melhor que remediar

III
A mulher carrega consigo
O dom de dar luz e vida
E esta vida recém-nascida
Além de muito carinho
Precisa do leite morninho
Que a mãe carrega no peito
O alimento mais perfeito
Essência da natureza
Fonte de amor e beleza
De quem não tem pré-conceito

IV
É por isso que nesta data
Gaúcho assim desse jeito
Eu também boto no peito
Esse lenço cor de rosa
E pra não causar polvorosa
É bom que a gente compreenda
Que pra proteger a prenda
Não há coisa que eu não faça
Sem mulher nada tem graça
E não há quem não se renda

V
Faço então um chamamento
Ao homem faço um apelo
Que bote no peito o selo
E uma ideia na mente
E quem for inteligente
Que tome já uma atitude
Entre na luta, ajude
Pra vencer o câncer de mama
É a mulher que te chama
Não há vida sem saúde

VI
Eis então minha homenagem
Pra quem faz do outubro rosa
Esta força poderosa
Que une o homem e a mulher
Para o que der e vier
Reescrevendo a própria história
E assim se conquista a glória
Celebrando a própria vida
Pois não há causa perdida
Para quem busca a vitória

POMPEO DE MATTOS
Deputado Federal
PDT/RS