O TEMPO E O NATAL

I
Recebi uma mensagem
De um anjo mensageiro
Um profeta alvissareiro
Vindo de outra dimensão
Que me tocou o coração
E me falou com um olhar
Pediu-me p’ra lhe escutar
Pois trazia a boa nova
Dando testemunho e prova
Daquele que vai chegar

II
Era algo assim divino
Este anjo anunciador
Falava coisas de amor
Tocando nos sentimentos
Me pediu um só momento
P’ra parar com a correria
Para parar um só dia
P’ra fazer uma reflexão
E repara na imensidão
O quanto a vida está vazia

III
Ele me fez voltar no tempo
E releu fatos da história
Aguçou minha memória
E revi o que estava escrito
Deu-me a luz do infinito
Onde vi um tempo novo
Vi os caminhos onde o povo
Andará em eterna paz
Pois a serpente o Satanás
Morreu na casca do ovo

IV
Fez-me então uma exigência
Para acabar com a guerra
P’ra trazer a paz na terra
Pediu-me que a humanidade
Se unisse em fraternidade
Em respeito ao criador
E reaprendesse a dar valor
Aos homens aos animais a vida
Pois não há causa perdida
Em Cristo Nosso Senhor

V
Falou-me da nova era
Do tempo de um novo tempo
Daqueles tempos que os ventos
Não param de assoprar
Que a gente não vê passar
Mas envelhece esperando
Que esse tempo está chegando
Mas que não será o fim
E só aquele que disser sim
Saberá o tempo e quando

VI
Deu-me então a inspiração
Da rima e da poesia
Só p’ra ver o que eu sentia
Neste ano quase findo
Para onde estamos indo?
O que queremos afinal?
E lhes digo, não me faz mal
A dura vida vivida
Se um dia eu viver a vida
Que nasce em cada NATAL

POMPEO DE MATTOS
Deputado Federal
PDT/RS