HOMENAGEM A HELENO OLIBONI

I
Dos campos de cima da Serra
No verde das Sesmarias
Na esmeralda das Vacaria
Nasce um menino e um sonho
O filho do seu Antônio
Bebeu água do Sereno
E aprendeu desde pequeno
Que ter honra e ter brio
E não fugir dos desafios
Iam ser marcas do Heleno

II
Este já nasceu campeiro
Levando o Rio Grande no peito
E foi ganhando conceito
Lonqueando couro na faca
Trançou laço, fez guaiaca
Do mundo levantou a cancela
E montado na própria sela
Foi encurtando caminho
Com respeito e com carinho
Abriu portas e janelas

III
Bem guri já tomou rumo
E veio do campo p’ra serra
E como bom cabrito não berra
Nunca froxou o garrão
Sempre cumpriu sua função
Na Serraria, no comércio, no matadouro
Ou na manufatura de couro
Tava sempre em prontidão
Homem de bom coração
E um talento de ouro

IV
Na política não foi diferente
E já logo pagou pra vê
Fundou em Flores o PDT
Com a presença do Brizola
E com mil ideias na cachola
Foi eleito presidente
E ali já lançou a semente
E com sabedoria e civismo
Foi pregando o trabalhismo
P´ra todo o povo florense

V
A semente germinou
A plantação floresceu
E logo o povo compreendeu
As ideias do semeador
Por ter talento, ter valor
Ter seriedade e conceito
Pelo povo foi eleito
P’ra governar o município
E este taura de princípio
De Flores virou prefeito

VI
O Oliboni na prefeitura
Fez uma revolução
Com uma grande administração
Foi derrubando preconceito
A seu modo e do seu jeito
Fez saúde, educação, fez escola
E inspirado no Brizola
Fez “a estrada de produção”
Botou asfalto onde era chão
Dando folga p’ra patrola

VII
E foi assim que o Heleno
Do povo caiu nas graça
Por seu trabalho e com raça
Com o apoio da população
Deu um show na reeleição
E de pingo alçado no freio
Com a chincha firme no arreio
Governou com as duas mão
E p’ra honrar a tradição
Fez o “parque de rodeio”

VIII
Das várias dezenas de obras
Que fez o Heleno prefeito
Uma arrancou do peito
De um jeito muito especial
E no dia do funeral
Homenageou Leonel Brizola
Deu seu nome a uma escola
Dizendo “Brizola tinha razão”
Pois quem tem educação
Nunca precisa de esmola

IX
Eis dois homens de mãos limpas
Não porque as lavaram
Mas sim, porque nunca as sujaram
Como alguns fazem por aí
Por isso Heleno, eu digo p’ra ti
Que o povo não te esqueceu
E que o Brizola não morreu
E que tu também não morrerás
Pois com o Brizola pra sempre viverás
Na história que tu escreveu

X
Eis então minha homenagem
A ti Heleno e a Helena
A Adri tua pequena
E a toda tua família
Te mando aqui de Brasília
Este chasque do meu jeito
P’ra dizer, que tu foste eleito
E o povo de Flores, que te ama
Aos quatro ventos proclama
Heleno, é o nosso maior prefeito

POMPEO DE MATTOS
Deputado Federal
Autor